quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A Fábula do Rei Fujão

Às vezes eu me pego pensando "poxa, mas que bom que estou em 2009 " .Dentre os motivos, posso citar um :a corte portuguesa não oferecerá minha cabeça por 10 mil cruzados depois que vocês lerem uma redação que escrevi para a aula de história, sobre a "Independência do Brasil " .Mas só estou publicando aqui por insistência da Stela, ok ?
Voilà :

A Fábula do Rei Fujão

" O grande problema da história da independência do Brasil, é que naquela época eles não tinham câmera digital .Caso contrário, nossas escolas não ensinariam os "nobres atos" de D. Pedro e não teríamos mais um feriado em setembro .
Vou contar uma história que aprendi longe dos livros.Ela se chama : A Fábula do Rei Fujão
Era uma vez, um imperador chamado Napoleão Bonaparte .
Ele tinha grande talento como estrategista, e um enorme espírito de liderança.Como todo homem que chega ao poder, Napoleão ficou meio louquinho .O lance dele era conquistar territórios, travar batalhas, buscar mais poder.
Ele era o poderoso chefão da França, que com seus feitos crescia economica e militarmente.
Acontece que, ao mesmo tempo, havia outra grande nação chamada Inglaterra .Napoleão não gostava da Inglaterra .Pois ela tinha barcos e suas mercadorias chegavam à Europa inteira, e disso Napoleão não gostava nem um pouquinho .Mas os ingleses também não iam muito com a cara de Napoleão, pois o império francês ganhava força e se tornava uma ameaça .Então, os ingleses se uniram aos russos, austríacos e prussos, com o intuito de deter os franceses .Houve guerra, e três nações cairam diante de Napoleão, mas a Inglaterra se manteve .Em resposta, os franceses decretaram o Bloqueio Continental, que impedia qualquer país europeu de negociar com a Inglaterra, que nesse período já estava a mil com sua Revolução Industrial .Então, quem não quis arcar com a cólera de Bonaparte, disse "firmeza, estamos aí, vamos comprar produtos da França " .Porém, havia um país em cima do muro , Portugal se chamava.Esse país era extremamente dependente da Inglaterra, e enrolou Bonaparte até não poder mais .Como iria afundar em caos caso alargasse seus laços com a Inglaterra, Portugal resolveu que não ia participar do bloqueio .Então Napoleão mexeu suas peças e mandou tropas para Portugal .Foi aí que aconteceu uma coisa mágica, estupenda, inédita, jamais antes vista em livro ou relatada em história alguma : o rei abandonou seu povo .Fugiu para longe, para outro continente .Foi tudo planejado com a Inglaterra, a família real iria se refugiar em uma ilhazinha na América, um lugar tropical com belas índias e praias de areias finas .Mas não foi sem suas caravanas carregadas de ouro, nem sem suas coxinhas de frango .Bonaparte fica por aqui, pois enquanto a cobra fumava na Europa, nossa história se dirige ao Rio de Janeiro, onde lá o rei chutou muitos pra fora de suas casas para mobiliá-las com seu ouro .
Chegando no Brasil, a família real achou que estava longe de problemas .Se soubessem o que os esperava, o Rei Fujão teria preferido ficar e batalhar com Napoleão só de cueca .
Houve conspirações, e em 24 de agosto de 1820, D. João VI, o alter-ego do Rei Fujão, se viu obrigado a retornar para o lugar de onde fugiu após a Revolução do Porto, que visava forçar o retorno do Pacto Colonial .
A Revolução foi um sucesso e o rei junto da família real retornou para reestabelecer a metrópole .Porém, ele deixou um filho no Brasil : D. Pedro .Reza a lenda que D. Pedro teve mais de 500 filhos com escravas e amantes .Ele só queria beber e farrear e o país e o povo que se dane .Mas, enquanto passava as noites tentando encontrar o caminho de volta pra casa, havia quem sussurrasse pelas suas costas .Dessa vez as conspirações eram para a liberdade do país .Dom Pedro estava vivendo muito bem com suas noites de algazarra e diversão .
Mas a vida é uma caixinha de surpresas, e numa bela manhã de sol, enquando D. Pedro passeava com seu jegue perto do Rio Ipiranga, ele recebeu uma carta do rei, ordenando sua ida imediata à Portugal para ficar sob os domínios da corte .Impelido pelas circunstâncias, D. Pedro bradou o famoso "Independência ou Morte", rompendo os laços de união política com Portugal .
E assim nasceu nosso país : da falta de opções de um bêbado .Um Bêbado filho de um covarde tarado por coxinhas de frango, neto de uma doida de pedra .Mas, pelo lado bom da coisa, temos motivos de sobra pra fazer aquelas velhas piadinhas de portugueses .
Alguém discorda ?"

3 comentários:

Cachorro Louco disse...

André :Seu texto está ótimo,já conversei sobre este assunto com muitas pessoas e ainda não tinha visto uma abordagem ironica e verdadeira como a tua.
Considero D.Joaõ um tremendo covarde ,e realmente não me lembro de ter lido algo parecido sobre outro rei em toda a história do mundo.O cara larga o país nas mãos de Napoleão ,e se manda para os trópicos com sua comitiva ,deixando o povo Português nas mãos do invasor .É muita covardia para um rei só.

Abraços

Stela disse...

Impecável ;D

Gabriela disse...

Excelente!!!